quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

mexendo dedinhos

Nasce, em 1756, um menino atento que, desde os 3 anos de idade, assiste às lições de cravo de sua irmã e procura no teclado as notas que ouve. Wolfgang Amadeus não modificou o curso da história da música, como Beethoven, não procurou transformar a herança: contentou-se com dominar, prodigiosamente, as formas e as técnicas aprendidas. Contudo, a ambição mais audaciosa de sua música é permanecer pura de qualquer ideologia, e é porque produz um imenso efeito sem a menor intenção de significar que sua música instiga à mais alta reflexão. Mozart nada revolucionou, nada descobriu, nada proclamou. Mas um gênio não se prova, afirma-se em todos os sentidos da palavra... é simples assim! No caso de Mozart, a afirmação reproduz a linguagem exaltada da fé ou do amor, e o que se observa é uma imensa aptidão para a felicidade em suas obras... E aptidão pra felicidade não é o que a gente procura?

Aqui, o 1°movimento da Eine kleine Nachtmusik, uma pequena serenata noturna
pra folgar os nós dos sapatos, em dia de aniversário do autor.


Nenhum comentário: