domingo, 12 de junho de 2011

da aragem

Há muito que o trabalho do francês Michel Ocelot emociona. Ele é o diretor deste curta-metragem e dos belíssimos longas Kirikú e a Feiticeira, Azur y Asmar. Deixo por estes espaços Os Três Inventores - pequena obra-prima de papel - uma viagem no reino da delicadeza em cortes e texturas, tão grandiosa e tão sublime que a poesia a tela sacode.


Há um singelo mundo de rendas brancas sobre um fundo azul, capaz de sentir nossas dores e resguardar doces lembranças, sem perder a noção de realidade; inventa, queima, corta e assim mesmo é belo e transparente, repondo suaves ares. Uma jóia de raro quilate que Michel Ocelot manipula com competência e amor incontestáveis.


Nenhum comentário: