quinta-feira, 4 de agosto de 2011

matiz


impetuosidade rítmica na sutil graduação em nuance de som e cor
um brilho sonoro - desabitado de qualquer coisa, descansa, apoia, poisa


com Bach, no prelúdio da Suíte n1 para Violoncelo,
enche as cordas de som na interpretação dos sonhos.




2 comentários:

Rejane Martins disse...

...pois é, Eurico, a ideia era abrir mão da rapidez na interpretação de Rostropovich, ou da lentidão de andamento do Yo-Yo Ma, neste prelúdio - dois gênios - e permitir-se todas as possibilidades sonoras que Stephane Tetreault (com apenas 15 anos, na época) imprimiu na condução do violoncelo, um deleite.

Rejane Martins disse...

eu ando meio manteiga derretida
http://youtu.be/zT1npaIcDGU
eu não devia te dizer
mas esse menino
mas esse violoncelo
botam a gente como vida.

[...pois outra versão impecável é a do violoncelista da Orquestra de Reciclados Cateura - este prelúdio abarbarado - com a licença de Jayme Caetano Braun e Carlos Drummond, lamento não saber o nome do solista]