domingo, 30 de outubro de 2011

sete palmos

Ora, se uma madalena, mergulhada na infusão de chá preto ou de tília, pode desencadear em Proust recordações tanto tempo abandonadas, longe da memória, que o fizeram pensar "Em busca do tempo perdido" a ponto de escrevê-lo... na esperança, sempre na esperança, deixo em cima desta pedra um ponto de luz pálido, da mesma forma que o encontrei há anos atrás... foram 3:25 minutos que fizeram diferença na minha vida - a ideia como norte, estas coisas prenhes de vigor, por todos os caminhos, por cada caminho, por cada gesto, na ressonância do sentido.

...e porque há cozinhas que são feitas de pessoas que deixam seu jantar inacabado em algum lugar, o cientista e cidadão do mundo Carl Sagan entrega-nos, em 1994, o livro Pale Blue Dot - Pálido Ponto Azul. O vídeo é um fragamento do livro, com imagens da sonda Voyager, a Terra a 6,4 bilhões de quilômetros de distância, em som de Vangelis, The Music of Cosmos.     Um estalo no vento - é decidir a direção do palmo - claro e simples assim.


Nenhum comentário: