segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

florada

flor de sina, momo
                     flor de cinamomo

A ópera e o quarteto de cordas podem andar juntos na obra de um compositor? Mozart não é um bom exemplo neste caso, porque chegou à perfeição em quase todos os gêneros. O brasileiro Carlos Gomes e seus contemporâneos Verdi e Gounod, todos fluentes compositores de óperas, escreveram cada um apenas um quarteto de cordas - o que sugere a dificuldade do desafio. Antônio Carlos Gomes foi o primeiro compositor brasileiro a alcançar renome internacional. Voltado para as lições de Verdi, foi à Europa com bolsa de estudos do governo do Brasil, fixando-se em Milão. O seu - o nosso - O Guarani, Il Guarany, com libreto em italiano, alcançou brilhante sucesso no La Scala, em 1870, anunciando ao mundo que o verdianismo tinha sucessores na América. Menos êxito alcançaram suas óperas posteriores, e o compositor, endividado, voltou ao Brasil, quando lhe sobrava pouco tempo de vida. A Sonata para instrumentos de corda é sua única incursão no gênero camerístico. Aqui o 1°movimento - allegro animato, e o 4°- vivace, desta doce Sonata em ré, num melodismo sensível e contagiante presente desde o início, e purificado pela nobreza do gênero. Este último tempo que, com ares lúdicos, Carlos Gomes batizou Burrico de Pau, pelos efeitos onomatopaicos habilmente conseguidos, deu nome à obra, como fez Schubert com seu quinteto A Truta.   É que todo ofício ensina flor.



Nenhum comentário: