quarta-feira, 25 de abril de 2012

archotes

pulsa luz a cor que move,

              duo de livre força em cálido soar,
rubros arranjos cósmicos na doce ressonância que se coloriu.
por proximidade, elgar e perlman, comemoro com vinho, salut d'amour.





segunda-feira, 23 de abril de 2012

ao compasso

irremediavelmente colorido, não tem jeito:
assim vejo-e-sinto Pixinguinha, mestre em tons e humanidade,
é dele o lamento, o ingênuo, o carinhoso e a rosa mais bonita que já ouvi,
faz acreditar que tocar pratos pode produzir toda diferença num conjunto de sons,
é dele a marca do dia, muitos choros sorridentes e os cascos vazios de mares navegados.



domingo, 22 de abril de 2012

insígnia

   É, Yehudi Menuhin e Glenn Gould, um encontro sensível
...que bem acomodo aqui num canto - espaço arejado.
É Bach - retirado da hipocrisia - dois virtuoses, um steinway, o stradivarius Khevenhüller e um arco Tourte, redondinho. É a sonata de número quatro salvaguardando excelência, dedicação, muito estudo e leitura musical. É o supremo menino prodígio! - assim Itzhak Perlman definiu Menuhin, um dos maiores violinistas do século XX, o dono do brinde do dia, aqui reposto em voo por listinha de pontos brilhantes em cima da relva. Ele que, em 1996, com 80 anos, conduz mais de 110 concertos, e afirma:
Qualquer coisa que se quer fazer e que se ama realmente deve-se fazer todo dia. Essa é minha relação com o violino! Ele deve ser tão fácil para um artista e tão natural tal como o voar de um pássaro, e você não consegue imaginar um pássaro dizendo: "Bem, hoje estou cansado e velho, e por isso não irei mais voar".

sexta-feira, 20 de abril de 2012

in signa

a graça do mundo,
                 de nós, a graça.
in si bemol maior,  
um capricho paganini e perlman.  
  


quarta-feira, 18 de abril de 2012

corda de esparto



há dias em que não dispenso el alazán, a via,

há dias dispostos em amarras de laços e tripas.



¿como fue que no lo viste?
¿que estrella andabas buscando?
*

sexta-feira, 13 de abril de 2012

lumeeira

asas transparentes, imenso brilho na vibração das cordas,
manhã, e lá está ela,
  rara firmeza e sonoridade,
diáfano caixilho em delicada harmonia, voo clarinar sutil e absoluto.





por grieg,  peer gynt.

sexta-feira, 6 de abril de 2012

luzerna

hoje a lua está ternamente cheia
e é tão bonito quando eu a vejo bem longe do céu de estrelas e tão mais perto de mim
    
     sailor moon,  em dia de disco lunar
     totalmente iluminado*


sobre a sagração
de matar um leão por dia e guardar o dente