sexta-feira, 25 de março de 2011

Honrar memória que vive sempre!


'Stamos em pleno mar... Doudo no espaço
Brinca o luar — dourada borboleta;
E as vagas após ele correm... cansam
Como turba de infantes inquieta.

'Stamos em pleno mar... Do firmamento
Os astros saltam como espumas de ouro...
O mar em troca acende as ardentias,
— Constelações do líquido tesouro...
...deixai que eu beba
Esta selvagem, livre poesia
Orquestra — é o mar, que ruge pela proa,
E o vento, que nas cordas assobia...



[fragmento de Navio Negreiro, Castro Alves, 1869]
Em mais um convite para ampliar, clica na imagem e aumenta no zoom ou clica aqui




Nenhum comentário: